ABTSES – Exclusiva para Servidores Públicos

QUERO CONTRATAR

Aqui você encontra as melhores opções de planos de saúde exclusivos para Servidores Públicos.

Chegada do inverno deve tornar combate à Covid-19 mais difícil

A diretora-geral da Organização Pan-Americana de Saude (Opas), braço da Organização Mundial de Saúde (OMS) nas Américas, alertou que a chegada do inverno deve tornar o combate à Covid-19 mais difícil no continente. 

Carissa Etienne explicou que a chegada do inverno já faz com que aumente a circulação de outros vírus respiratórios, o que deve dificultar o diagnóstico da Covid-19.  

“Não temos dados que mostrem que o frio ou a umidade influenciam na disseminação da Covid-19, mas nós sabemos que o inverno impulsiona infecções respiratórias, como a gripe sazonal e a pneumonia”, disse Etienne. “Isso é um problema para pacientes, porque doenças respiratórias as deixam em grande risco para infecção severa por Covid-19”. 

A diretora-geral lembrou da importância de manter a vigilância para a gripe sazonal e realizar vacinação preventiva, principalmente para idosos, trabalhadores de saúde e pessoas com doenças crônicas. 

Além do Coronavírus, ainda precisamos ficar atentos para outras doenças. As principais doenças do inverno são as respiratórias transmissíveis, como resfriados e gripes, além do agravamento de outras como rinite, asma, sinusite, otite e pneumonia, pois este período favorece a circulação de vírus e bactérias, já que a temperatura fica mais baixa, o ar fica mais seco e há uma maior tendência em ficar em ambientes fechados. 

O período de maior proliferação dos micro-organismos pode variar de acordo com a região do Brasil, já que no Sul e Sudeste os meses mais frios podem variar de maio a outubro, enquanto que no Norte e Nordeste os meses entre abril e junho há mais chances de chuva e queda das temperaturas. 

Para se proteger, é válido continuar os cuidados recomendados pela OMS e intensificar os cuidados com a saúde, o uso do álcool em gel, a utilização das máscaras e evitar locais fechados e aglomerações.  

 

FONTE: G1 e Tua Saúde 

Deixe um comentário